Revolta

               

                               

    O que os meus olhos vêm e o meu coração guarda não tem outro caminho que não a minha própria destruição .

Gostava de ter a capacidade de fazer nascer em mim a revolta e consequente mudança. Mas o comodismo a que por vezes me sujeito deixa-me  mergulhada naquilo a que teimo em chamar reflexão .

Longe vão tempos em que nada de detinha e o pensamento de que era inabalável me acompanhava sempre. Hoje, porem, mais de que conseguir ver onde sou fraca, consigo senti-lo.

Esta noção da minha fraqueza  não me deixa mergulhada na amargura..deixa-me apenas quieta no meu canto a aclamar a minha paz. 

A mesma a que não sei se tenho direito.

Por Di às 19:42
|