Mim


subscrever feeds

Segunda-feira, 27 DE Fevereiro DE 2006

Vazia...

po.jpg
Sinto-me só. Impotente. A olhar um vazio sem explicações, sem argumentos...
Como se me tivessem tirado o meu chão..a minha base.. como se fosse obrigada a partilhar o que tenho de mais precioso, aquilo que conquistei, e tento conquistar todos os dias.
Sinto que não sou ninguem e que não tenho nada. Que sou apenas um corpo a vagiar e na conquista por um pedaço de espaço neste mundo cruel. A dor da impotência consegue ser muito mais forme do que qualquer pensamento de calma que tenta vir a tona.
Sinto que as lágrimas comandam os meus olhos e impedem-me de tentar arranjar algo que consiga contrariar esta dor.
Por Di às 18:40
|
Domingo, 26 DE Fevereiro DE 2006

...

solidao.jpg
É assim. É isto mesmo e pouco mais tenho para acrescentar.
Por Di às 23:39
|
Sexta-feira, 24 DE Fevereiro DE 2006

Miséria..

Em nome dos que choram,
dos que sofrem,
dos que acendem na noite o facho da revolta.
Em nome dos que sonham com palavras
de amor e paz que nunca foram ditas,
em nome dos que falam em silêncio
e estendem em silêncio as duas mãos aflitas.
Em nome dos que pedem em segredo
a esmola que os humilha e os destrói
E devoram as lágrimas e o medo
Quando a fome lhes dói.
Em nome dos que dormem ao relento
numa cama de chuva com lençois de vento,
o sono da miséria, terrivel e profundo.
Em nome dos teus filhos que esqueces-te
Filho de Deus que nunca mais nasces-te
Volta de novo ao mundo.

Ary dos Santos
Por Di às 16:09
|
Quinta-feira, 23 DE Fevereiro DE 2006

A minha Luz

Luciferanjodaluzdivina.jpg
Sou apenas uma lutadora. Que a cada ataque se fecha em si própria e nega a si mesma voz de quem quer gritar.
Muda, neste caminho infinito. Em que a distância já não se conta, em que os buracos são constantes e os desvios nos fazem repensar se o fado é justo.
Simplesmente a olhar este caminho agonizante com medo, mas a ficar quieta perante a revolta.
Num salto constante entre montes de felicidade e de solidão efémera! É pois neste vale de emoções que me descubro a mim própria, e calada continuo a amar.
Nesta espera desoladora em que chegue a mim a minha luz.
E nisto vivo e caminho todos os dias. Calada e solitária. Na esperança da minha luz.
Por Di às 23:27
|
Quinta-feira, 23 DE Fevereiro DE 2006

Esperança

rochas_rochas_8001.jpg
Vi o sol despedir-se de mim, e ouvi o “Olᔠda Lua.
Senti por momentos o silêncio da noite a penetrar-me a pele.
Tentei esconder-me do medo que vinha de encontro a mim. Olhei em frente e prossegui o caminho.
No fundo, sábio bem! Era apenas mais uma. Mas, a solidão, afoga todas as certezas e toda a coragem. Apresento-me forte e sólida ao olhar dos outros. O medo que tenho que os passos do futuro me descubram a imagem, faz-me sorrir a tudo mesmo com medo de tudo.
A confiança no futuro e a esperança em momentos felizes, fazem-me acreditar que vale a pena esperar.
Mas o medo não vai embora, permanece bem junto de mim. Teima em escurecer os sonhos e assombra-me a realidade.
Perdida no meu mundo, vejo-me de novo triste e solitária. Perdi-me no tempo. Perdi-me nos momentos. Vejo-me de novo com aquele olhar de esperança. Mas a dor e o tempo, fazem com que a memória se perca noutras direcções.
Enfrento o medo, mas com medo, rendo-me a ele.
Perco-me nas emoções, na vida e nas memórias. Perco-me em ti.
Em breve estarás de novo junto de mim.
Quero-te.
Por Di às 23:07
|
Quinta-feira, 23 DE Fevereiro DE 2006

Falta de ti...

anjodapaz.gif
Mesmo nas noites em que a solidão se apodera de mim, e choro desesperadamente a tua ausência, continuo inunda de esperança.
Nada me detém desta fé incrível, que me escolta a passo e passo.
Neste silêncio arrasador que é a minha noite, não vejo mais saídas se não entrelaçar as mãos e pedir que me seja dado rumo.
Vivo assim permanentemente.
Aprendi com isto a respirar fundo e a clarificar os meus horizontes.
Vivo na esperança de que o minuto seguinte seja menos doloroso.

Por Di às 21:17
|
Segunda-feira, 20 DE Fevereiro DE 2006

Uma flor para a minha flor...

laser8.jpg
Decidi dedicar um bocadinho deste meu espaço a ti. Acho que mereces.
Não é por estares longe que penso menos em ti. Pelo contrario.
So quero deixar-te uma flor como sinal do meu apreço e do meu carinho por ti. O resto, tenho a vida toda para te dizer e demonstrar.
Cuida de ti como se fosse eu a faze-lo.
Beijinhos Mana.
Por Di às 19:06
|
Segunda-feira, 20 DE Fevereiro DE 2006

Silencio

extase.jpg
Quando paramos o mundo,
unimos os corpos,
entrelacamos as maos,
mergulhamos o olhar
na alma um do outro,
nasce em nos
mais um novo mundo.
Abracamos-nos com forca,
na cumplicidade deste amor louco
Soltamos sorrisos discretos
e num olhar rasgado
dizemos em silencio
palavra de amor
Agarramos os minutos
com a forca de quem luta,
para que a vida continue.
Olhamo-nos em silencio,
e em silencio,
silenciamos a saudade.

Por Di às 18:44
|
Segunda-feira, 20 DE Fevereiro DE 2006

Sozinhos

ENAMORMARRON.jpg

Quando toda a harmonia deste mundo parece reunir-se nos nossos corpos, e pois assim que nos vemos no final.
Num estado de transe tal, em que os olhos reflectem a alegria das vivências maravilhosas que os corpos podem experimentar. E tudo momentâneo, mas a verdade e que estes momentos nos ficam gravados na memoria e são libertados cada vez que a saudade aperta o coração.
Pelo menos e assim eu as coisas funcionam em mim. Tudo o que vivo fica guardado num cantinho muito especial. Não penso nisso sempre. Apenas quando a solidão me afecta e sinto necessidade de ser feliz de novo.
Os momentos de amor, são guardados pelo meu subconsciente e postos no activo sempre o coração fica pequenino e pede com a voz de um gigante para que ceda as memorias e volte de novo a ser imensamente feliz.
Cada gesto, cada palavra, cada sorriso, cada gemido consegue ser visto no filme da minha vida.
Sou assim!
Quando sou feliz aproveito-o para sê-lo de novo quando a tristeza me possa afectar.
Deveríamos todos ser assim. Mas nem todos têm esta oportunidade. Apenas aqueles que amam e são amados.
Aqueles que vivem numa felicidade tão pequena quanto isolada, vivem apenas em contentamento. Pois a verdadeira felicidade esta em partilharmos o que nos traz os sorrisos e cor a vida.

Pensem nisto.

Talvez também vocês vivam apenas em contentamento. Acreditem que vale a pena partilhar e sentir que alguém permuta connosco.
Por Di às 14:15
|
Sexta-feira, 17 DE Fevereiro DE 2006

Morte

Scotteyechart1.jpg
A Ti, que tiras todos os sorrisos
A Ti, que deixas a revolta,
O desespero e a tristeza
A Ti, que marcas com crueldades
Que tiras de nós a calma.
A Ti, que chegas em silêncio
E partes em silêncio
A Ti, que desgraças o espírito
E que humilhas o corpo
A Ti, que a escuridão trazes
E para a escuridão nos levas
A Ti, que não ligas à afeição
Que não ligas ao cuidado
Que não ligas à saudade
Que trazes contigo a solidão
Que trazes as lágrimas.
Que me assustas
Que me fazes tremer.
Que estás no meu fado
A Ti Morte nefasta.
A Ti eu suplico
Que não Te aproximes de mim.
Por Di às 18:30
|
Quinta-feira, 16 DE Fevereiro DE 2006

Desejo


Não sei nada sobre ti. Nada.
Pelo menos e isso que afirmo. Afirmo-o numa tentativa de convencer a mim mesma que não te conheço. Eu conheço. Muito bem. Cada detalhe do teu corpo. Cada sinal. Conheço o cheiro do teu suor. O sabor da tua boca. O teu olhar. Aquele olhar de puto que me tira a roupa em silencio. Simplesmente porque os nossos corpos se unem num momento de amor que ninguém mais conhece. Nem nunca vai conhecer. E nosso. E nessa escuridão que tem tanto de assustadora como de bela, que devoramos o corpo um do outro, fazendo promessas de amor que tem tudo para ser cumpridas. E nessa escuridão avassaladora unimos as mãos, os suores, em que as peles se confundem, que damos asas ao nosso desejo e num momento único de amor, com olhares de relance apaixonantemente cansados de desejo, fazemos amor de novo. Afinal amor, eu conheço-te muito bem. Nego-o a mim mesma para que a descoberta de cada dia possa ser ainda mais maravilhosa.
Por Di às 23:32
|
Quinta-feira, 16 DE Fevereiro DE 2006

...

Escrevi isto a 03 de Dezembro de 2004.
Hoje finalmente vem a publico. Os sentimentos continuam os mesmos, mas com mais intensidade. Escrevi isto e hoje continuo a senti-lo cada vez que o vejo ir embora de novo. A paixao so se intensificou tal como o desejo e o nosso amor.


Sentei-me sobre a areia fria
E fixei o meu olhar gelado
sobre este mar parado de recordações.
Inalei a brisa dos sonhos
E embarquei na dor da tua ausência.
Naveguei sobre os medos,
E atraquei na esperança
Afoguei-me no terror e no pânico
De não te ter por perto
Chorei pelos beijos, pelos abraços
Carinhos e sorrisos
Que as ondas me levaram.
Sobre este vento forte fechei os olhos
E implorei a calma.
As lágrimas congelaram sobre este mar alto…
Ouço apenas o barulho das ondas
Sinto apenas a brisa do mar,
À distancia dos momentos,
Com feridas de saudade
Engulo as lágrimas e adormeço.

03.12.04
Por Di às 18:58
|
Quinta-feira, 16 DE Fevereiro DE 2006

O Teu Beijo

images.jpg
Sinto-me totalmente envolvida por ti. Não consigo caracterizar as emoções, as sensações, provocadas pelo teu beijo. Não e possível dizer mas maravilhas desse teu gesto de plenitude. Se fechar os olhos, consigo ver nitidamente a maravilhosa imagem do teus doces lábios a percorrerem os meus corpo. Também isso me marca muito, meu amor.
A cada dia, só te consigo desejar ainda mais. Permanece sempre na minha memória o momento em que me vais levar a esse campo de rosas. Eu espero. Pacientemente, espero que voltes e me envolvas de novo nesse teu mundo cheio de cor, a que me levas sempre que os teus lábios tocam os meus.

Por Di às 18:18
|
 

Fevereiro 2006

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
18
19
21
22
25
28
  • a água purifica sim...o pensamento...
  • ....mariza uma voz fabulosa que me emociona sempre...
  • Não foi fácil encontar-te... Digo-te que te procur...
  • E acho q foi o melhor q fizeste!! Boa miuda :)
  • Não poderia de todo passar aqui e não dizer nada.D...
  • E dificil dizer qualquer coisa....e neste tipo de ...
  • A foto e digna de um belo fotografo, não achas??lo...
  • Fico maluco com este tipo de posts....Como tu mesm...
  • O que aprendes-te amor?
  • belo

blogs SAPO


Universidade de Aveiro